pontuação – principais sinais

16 Maio

fonte: http://www.priberam.pt

Quanto ao ponto:

O ferro é um dos metais mais úteis. Os factos devem narrar-se na sua ordem natural. O ar das montanhas tonifica.

Como se vê, o ponto final indica o fim duma frase ou o fecho dum pensamento, com inflexão de voz que denota pausa absoluta. Emprega-se ainda nas abreviaturas:

Ex.: Sr. (por Senhor); Dr. (por Doutor); D. (por Dom ou Dona); V. Ex.ª(por Vossa Excelência); m.to (por muito).

Quanto à vírgula:

1.º — Manuel, vai abrir a porta. Posso afirmar-lhe, minha Senhora,que o seu irmão não passou por aqui. Vem cá, João.

Vê-se que o vocativo é sempre separado por vírgula.

2.º O ouro, a prata, o ferro, o chumbo, são metais. Afonso Henriques conquistou Lisboa, Santarém, Almada e Sintra.

Separam-se por vírgula todos os membros de uma oração que não sejam ligados por conjunção.

3.º Eu sou, efectivamente, crédulo. Estes campos são, com efeito, muito bonitos. Os Ingleses, não haja dúvida, constituem um povo essencialmente prático. Amar as árvores, disse um grande homem, é amar a terra.

Fica entre vírgulas qualquer palavra, frase ou sentença, intercalada numa oração.

4.º Não, é impossível satisfazer o seu desejo. Não, isso é inacreditável.

Emprega-se a vírgula depois da partícula não, quando ela, no princípio da oração, se refere a outra.

5.º Sim, depois resolveremos o caso. Sim, vou passear.

Emprega-se igualmente depois de sim, no princípio de qualquer oração.

6.º Este homem, bondoso em extremo, tudo sacrificou à família. Encontrei a Maria, filha do Costa. A árvore, linda e viçosa, a cuja sombra me acolhi. A História chama Conquistador a Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.

Os nomes apostos ou continuados são precedidos de vírgula.

7.º Meus pais, a quem muito quero… Aquela filha, a quem tanto se dedicou, foi ingrata. João, de quem recebi tantas provas de estima…

Quando a partícula quem é acompanhada de preposição, coloca-se a vírgula antes dessa preposição.

8.º Não sei se estamos longe da terra a que nos dirigimos. Este é o lugar histórico em que Vasco da Gama embarcou. Encontrei ontem o teu primo António, que me ofereceu uma bebida. Restavam alguns soldados, que combateram heroicamente.

Antes do relativo que, apenas se coloca vírgula se este introduz uma oração explicativa.

9.º Os animais domésticos prestam excelentes serviços ao homem. As pessoas mal-educadas não podem merecer a estima de ninguém. Emprestei o livro de Geografia ao Mário.

Como se vê, nestes dizeres não há nenhuma oração, frase ou expressão intercalada que deva ser precedida ou seguida de vírgula. Podemos concluir, portanto, que nunca se emprega a vírgula entre o sujeito e o predicado, e entre o verbo e os seus complementos directos ou indirectos.

Apontámos apenas os principais casos do emprego da vírgula. Muitos outros há, que só a prática pode indicar. Na leitura, a vírgula indica uma pequena pausa e uma ligeira inflexão na elevação de voz.

Quanto ao ponto e vírgula:

1.º Dos primeiros tempos da nacionalidade portuguesa merecem mencionar-se: o conde D. Henrique, que procurou firmar a independência, que ele e os habitantes do condado tanto desejaram; D. Teresa, senhora inteligente e enérgica, que se esforçou também por tornar o condado independente; Egas Moniz, que deu um belo exemplo de lealdade, quando ofereceu a vida em paga da falta do cumprimento da sua palavra; Afonso Henriques, que alargou o território com as conquistas feitas aos Mouros; Mem Ramires, que foi um batalhador incansável e contribuiu para a conquista de Santarém; Fuas Roupinho, que foi um dos primeiros navegadores portugueses, num tempo em que se ignorava ainda a ciência náutica; 

2.º Entre os grandes poetas portugueses, Camões tem a primazia; entre os italianos, Dante; entre os ingleses, Shakespeare; entre os latinos, Virgílio; entre os gregos, Homero. 

3.º O ar das montanhas é esplêndido para os doentes; mas em Portugal poucos podem aproveitá-lo, principalmente por falta de comodidades e boas estradas de acesso.

4.º Encontrei esse meu amigo, há anos, por uma tarde calma de Agosto; e nunca mais o vi.

Vê-se, pelos exemplos precedentes, que o sinal ponto e vírgula separa orações coordenadas, de alguma extensão. Na leitura denota elevação de voz um tanto mais forte do que a indicada pela vírgula.

Quanto aos dois pontos:

1.º Lá diz o ditado: «Diz-me com quem andas, e dir-te-ei as manhas que tens.» Disse Camões: «Entre portugueses, traidores houve também algumas vezes.»

2.º Os principais deveres do homem para consigo são: conservar-se, instruir-se, melhorar-se.

O sinal dois pontos antepõe-se, pois, a uma citação, como no primeiro exemplo, e a uma enumeração, como no segundo.

3.º A miséria, o descrédito, os vícios: tais são, quase sempre, os resultados da ociosidade.

Quando a frase começa pela enumeração, os dois pontos colocam-se depois dela. Nesse caso, os dois pontos podem, sem erro, substituir-se pela vírgula, podendo pois escrever-se: A miséria, o descrédito, os vícios, tais são, quase sempre, os resultados da ociosidade.

4.º Ouve lá: teu pai disse-me ontem que, se não te resolves a estudar com mais cuidado, não poderás contar com a sua estima.Queira mandar-me pelo portador o seguinte: 1 quilo de açúcar; 250 gramas de chá preto; 1 quilo de farinha; uma embalagem de manteiga. Resultado final: ambos foram logrados com o negócio.Quer saber o que se passou? Eu conto-lhe: Seriam oito horas, quando o rapaz bateu à porta. Abri-lha. Trazia-me uma carta do meu tio, prevenindo-me de que o meu primo estava doente… Acredita, meu rapaz: Os conselhos dos velhos fundam-se na experiência da vida.

Como se vê pelos exemplos do n.º 4.º, o sinal dois pontos tem aplicação sempre que há uma frase com sequência; e o seu emprego facilmente se aprende com a prática.

Quanto ao ponto de interrogação:

Como te chamas? Quantas laranjas dás por cem escudos? Que disse o homem? perguntou-lhe o tio.

O ponto de interrogação coloca-se no fim da frase interrogativa, embora seguida doutra frase dentro do mesmo período.

Tu ainda te lembras do dia em que teu irmão partiu para Lisboa, depois de te ter dado um lindo livro com figuras coloridas?

Quanto ao ponto de exclamação:

1.º Oh! é horrível! Não posso mais! Pobres crianças! Coitados dos pobrezinhos! Ó minha Mãe! Que linda manhã!

O ponto de exclamação coloca-se no fim da frase que exprime comoção repentina, surpresa, dor, prazer, etc.

2.º Ah! Ai! Ui! Apre! Irra! Alto lá!

Também se emprega geralmente depois de exclamações.

3.º Como são assombrosos os mistérios que a Natureza esconde nos complicados recessos dum cortiço de abelhas!

Quanto às reticências:

Quem o feio ama… Queres então dizer… O homem, todo senhor de si, afirmou que era a pessoa mais inteligente da família… Achas que sou bonita?…

As reticências exprimem uma interrupção na frase começada, mas de modo a sugerir ao leitor as frases que faltam, ou uma ideia de ironia, ansiedade, malícia, etc.

Quanto ao travessão:

Emprega-se especialmente no diálogo.

— Estou muito inquieto — disse o comendador — porque não tenho carta do rapaz.

 Não vale a pena — ponderou o compadre , o rapaz já não se perde.

Aqui, o travessão substitui em parte as vírgulas, pois bem se podia dizer:

— Estou muito inquieto, disse o comendador, porque não tenho carta do rapaz.

— Não vale a pena, ponderou o compadre, o rapaz já não se perde.

Quanto aos parênteses:

1.º Naquela tarde, o filho mais novo (o outro partira para o Brasil) dirigiu-se ao pai humildemente.

Os parênteses servem para separar palavras ou frases que se dispensavam, mas que explanam ou esclarecem o assunto. Na leitura denota abaixamento de voz.

2.º O pai (é bom dizê-lo) não ficou satisfeito com a notícia. O pai, é bom dizê-lo, não ficou satisfeito com a notícia. O pai — é bom dizê-lo não ficou satisfeito com a notícia.

Como se vê, quando a frase é curta, pode substituir-se o parêntese por vírgulas, ou por travessões.

Quanto às aspas ou vírgulas dobradas: indicam a transcrição dum texto, ou a citação duma regra ou duma doutrina.

Ex.: «Napoleão enganava-se; e o desfecho da luta em que ele se achava empenhado mostrou bem de que lado estava a razão.» «A união faz a força.» «Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.»

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: